Descubra como conectar seus sistemas ao CRM nº1 do mundo e agilizar seus negócios

Descubra como conectar seus sistemas ao CRM nº1 do mundo e agilizar seus negócios

Publicado por nome do autor em data do post

Você acabou de fazer uma grande escolha ao optar pelo CRM da Salesforce, o nº 1 do mundo. Sua ideia é melhorar os processos comerciais de forma a ter resultados de negócios mais robustos. A ferramenta, sem dúvidas, pode contribuir diretamente para este objetivo. Mas é preciso realizar um bom processo de integração.

A integração é a principal razão pela qual as iniciativas digitais falham. Mesmo os gestores que são antenados e curtem as soluções trazidas pela transformação digital passam por essa dificuldade.

Por isso, pontuamos a seguir a melhor maneira de conectar seus sistemas ao CRM nº 1 do mundo!

Integração dos sistemas ao CRM Salesforce: MuleSoft Anypoint Platform

A plataforma MuleSoft Anypoint é a melhor maneira de conectar seus sistemas ao CRM da Salesforce. Na verdade, possibilita a conexão de qualquer aplicativo, dados ou dispositivo. No entanto, ela permite a conexão do Salesforce a aplicativos corporativos, na nuvem ou on-premises em uma velocidade 3 vezes maior.

Isso porque possibilita ao profissional utilizar APIs que facilitam a conectividade aos principais sistemas legados (como CRM e ERP), além de viabilizar o acesso seguro aos dados do Salesforce, sempre atendendo os requisitos de governança e controle. Além disso, o usuário poderá utilizar os melhores conectores, exemplos e modelos do Salesforce.

Benefícios

Ao utilizar a MuleSoft Anypoint para conectar seus sistemas ao CRM nº 1 do mundo, você poderá usufruir de alguns benefícios claros. São eles:

  • Ganhar visibilidade em tempo real e solucionar problemas rapidamente: a plataforma permite ao gestor obter insights de negócios com painéis e relatórios personalizáveis, bem como fornecer acesso e inspecionar, com segurança, as transações à medida que fluem entre aplicativos móveis, em nuvem e legados.

  • Implantar facilmente na nuvem e no local com um único tempo de execução: permite a execução de seu código com serviços gerenciados na nuvem, bem como o dimensionamento conforme necessário, com menos erros e mais confiabilidade do tempo de execução.

  • Acelerar projetos com um único marketplace para APIs e ativos de integração: entrega de projetos rapidamente com acesso a centenas de conectores reutilizáveis, modelos de integração, aceleradores e projetos de API para Salesforce.

  • Encontrar a melhor ferramenta a preço justo: existem diversos pacotes (Ouro, Platina e Titânio) para que o gestor tenha as ferramentas de API e integração certas para o seu negócio, não importa o seu tamanho ou indústria.

  • Proteger os dados contra ameaças: permite incorporar a segurança em APIs à medida que constrói, configurando políticas avançadas de proteção para controlar o acesso e defender APIs críticas.

  • Projetar e construir APIs e integrações rapidamente: simplifica a forma como você integra aplicativos corporativos, permitindo colaborar, testar e fornecer feedback dentro do produto.

Padrões estratégicos para realizar a integração ao Salesforce

A integração é responsável pela boa experiência do cliente em diferentes canais, sistemas e departamentos. Quando falamos de acelerar a integração ao Salesforce, pensamos em aplicativos que, com uma sequência lógica de etapas, resolvem os problemas típicos deste processo.

Os desafios para conectar o Salesforce aos principais sistemas (incluindo ERP), aplicativos (personalizados ou não) e bancos de dados são muitos. Cada cenário de integração é único, e isso aumenta a dificuldade de compreensão sobre como realizar a integração.

No entanto (e felizmente), existem requisitos e problemas comuns que a empresa deve lidar. Diante desse cenário, pontuamos os padrões estratégicos para realizar a integração ao Salesforce.

#1. Migração

Migrar dados é mover um conjunto específico de dados de um sistema para outro em determinado momento. Com um padrão de migração, os desenvolvedores podem:

  • Definir parâmetros de configuração a serem transferidos para uma chamada de API, possibilitando ao aplicativo de migração exportar ou importar os dados com escopo do Salesforce;

  • Criar serviços de integração automatizados para funcionalidades a serem compartilhadas entre as equipes;

  • Criar serviços reutilizáveis para migrações frequentes para poupar tempo posterior das equipes.

Cada empresa pode apresentar um cenário de integração do Salesforce que exige certo padrão de migração, o que inclui a migração de dados de um sistema legado de CRM para o Salesforce ou outra.

#2. Transmissão

Transmissão é movimentar dados em tempo real ou continuamente de um único sistema de origem para muitos sistemas de destino. É também chamada de sincronização unidirecional de um para muitos.

Diferentemente do padrão de migração, a transmissão é transacional, pois executa a lógica somente para itens modificados recentemente e é otimizado para o processamento de registros o mais rápido possível. São, por necessidade, altamente flexíveis.

Os padrões de transmissão são utilizados para manter os dados atualizados entre vários sistemas ao longo do tempo. Por isso, deve ser confiável, evitando a perda de dados críticos em trânsito e permitindo o uso de integrações com baixa supervisão humana em aplicativos de missão crítica.

Com o padrão de transmissão, o usuário pode transferir imediatamente os dados da empresa entre sistemas, seja de duas instâncias do Salesforce ou entre o Salesforce e outros sistemas.

Veja alguns exemplos de uso para o padrão de transmissão:

  • Criação de um pedido de vendas no SAP assim que a oportunidade é marcada como “fechada” e “ganha” no CRM da Salesforce;

  • Inserção/atualização de registro do Salesforce que reflete em outros aplicativos corporativos adjacentes;

  • Sincronização de dados em tempo real do Siebel para o Salesforce.

#3. Agregação

Agregação é a extração e processamento de dados de vários sistemas em um aplicativo ou relatório em tempo real. Uma alternativa a isso é executar várias migrações diariamente, mas será preciso muita manutenção manual para manter os dados atualizados, precisos e sincronizados.

A transmissão de dados de vários sistemas ocorre em tempo real, mas exige um banco de dados para armazenar dados replicados para consulta. Com o modelo de integração baseado em um padrão de agregação, os desenvolvedores podem:

  • Extrair e processar dados de vários sistemas e os mesclar em um só aplicativo, evitando a manutenção de um banco de dados operacional exclusivo para o conteúdo mesclado;

  • Mesclar conjuntos de dados para usá-los sempre que for necessário;

  • Criar ou armazenar relatórios em .csv ou em outros formatos;

  • Consultar vários sistemas sob demanda.

E quando utilizar o padrão de agregação?

Quando se deseja criar um painel que extrai dados de várias instâncias da Salesforce ao mesmo tempo em que se garante a consistência dos dados. Outra hipótese é atualizar o CRM da Salesforce com dados de vários sistemas, como sistemas ERP. Ou, ainda, criar APIs de coleta e retorno de dados de vários sistemas.

#4. Sincronização bidirecional

A sincronização bidirecional é a união de dois ou mais conjuntos de dados situados em dois ou mais sistemas diferentes, de modo que se comportem como um só sistema capaz de reconhecer a existência de diferentes conjuntos de dados.

Essa integração é bastante útil no CRM se existem ferramentas ou sistemas diferentes que precisam realizar funções diferentes no mesmo conjunto de dados. Com a sincronização bidirecional, esse conjunto é compartilhado, permitindo assim o uso de ambos os sistemas sem perder a visualização consistente e em tempo real dos dados.

Esse padrão é especialmente utilizado para otimizar processos organizacionais, escolher e personalizar ferramentas com os melhores aplicativos (utilizado em conjunto) para objetivos organizacionais específicos.

Quando falamos do CRM da Salesforce, a sincronização bidirecional oferece suporte à integração de vários sistemas que conferem eficiência operacional para, por exemplo, um cenário de fluxo otimizado da cotação ao pagamento.

Em suma, a sincronização bidirecional é capaz de unificar aplicativos relevantes com melhor desempenho para aprimorar as funcionalidades da Salesforce. Dessa forma, gera um crescimento geral das vendas.

#5. Correlação

Muito semelhante à sincronização bidirecional, a correlação traz uma diferença fundamental. Na sincronização bidirecional, ocorre replicação dos mesmos elementos de dados em dois locais. Já o padrão de correlação é utilizado para associar registros de dados diferentes, sem que se copie os próprios dados.

A sincronização bidirecional cria novos registros se encontrar um que esteja somente em um dos sistemas, mas a correlação não diferencia a origem dos objetos. Assim, ocorre sincronização de objetos de forma independente, desde que encontrados nos dois sistemas.

E quando a correção é útil? Quando for necessário apenas compartilhar dados entre dois grupos ou sistemas, desde que tenham registros que representem os mesmos itens ou contatos na realidade. Ele, então, remove os dados “desnecessários” da análise.

Com a correlação, os dados da conta compartilhada podem ser sincronizados entre aplicativos, incluindo instâncias do CRM da Salesforce.

Anypoint Templates para integração ao Salesforce

Essa breve exposição dos padrões de integração serviu para mostrar que cada um deles segue uma estrutura consistente. No entanto, para simplificar na hora de fazer a integração dos seus sistemas com o CRM da Salesforce, é possível utilizar os modelos ou templates da plataforma Anypoint.

Modelos são padrões de integração empacotados. O objetivo é abordar os casos de uso mais comuns, auxiliando assim na rapidez da integração pelos desenvolvedores.

Os Anypoint Templates da MuleSoft para integração ao CRM da Salesforce foram criados para serem:

  • Extensíveis: os templates são projetados para evoluir, contendo instruções de inserção, mapeamentos de campo limitado, definições de “iguais”, e outros campos para se adaptar às especificidades de cada empresa.

  • Completos para casos de uso atômicos: abrangem e focam na principal unidade básica de valor, mas deixam a possibilidade de composição pela adição de fluxos em ordem paralela ou serial.

  • Reutilizáveis: os modelos seguem padrões de base a base que são utilizados em muitas variações de um mesmo problema básico.

  • Elegantes: os fluxos criados nos modelos se assemelham a uma história de integração para que sejam facilmente compreendidos.

  • Altamente qualificados: os modelos são criados e testados com foco na qualidade da produção.

Diante de tais características, podemos ver que os templates da MuleSoft para integração ao Salesforce agilizam e simplificam todos os processos necessários para a integração, tais como mesclagem de dados após aquisição de outras entidades, descontinuidade de um CRM legado, atualização em tempo real do Salesforce com dados de ERP.

Além disso, conseguem garantir a consistência dos dados entre instâncias do CRM da Salesforce e outros aplicativos corporativos, bem como criar APIs de extração de dados dados de vários sistemas.

A integração efetiva e eficiente de seus sistemas corporativos ao Salesforce pode agilizar e alavancar seus negócios. Juntos, o CRM, os aplicativos, os bancos de dados e o sistema de ERP podem trazer muitos dados valiosos para o gestor tomar melhores decisões.

Para realizar uma boa integração, utilize a plataforma MuleSoft. Se tiver dificuldades ou dúvidas, entre em contato conosco!

Feras no assunto

Quando se trata de nuvens Salesforce, somos especialistas em conectar estratégia e agilidade em um só projeto.

Fale com um especialista